Incontinência Urinária na Gestação e no Puerpério | Bigfral

Home  »  Saúde   »   Incontinência Urinária na Gestação e no Puerpério

Incontinência Urinária na Gestação e no Puerpério


Incontinência Urinária na Gestação e no Puerpério

5 meses atrás / 3 min de leitura

Saiba o porquê isso acontece e como ter uma melhor qualidade de vida

Incontinência urinária é toda de urina involuntária, seja ela em pequena ou grande quantidade e pode afetar tanto homens quanto mulheres, porém é mais prevalente no sexo feminino devido à exposição da mulher aos fatores de risco, que são: a gestação, o parto normal, a menopausa e o envelhecimento dos tecidos do corpo. No homem a incontinência urinária está relacionada às cirurgias da próstata, ao tratamento do câncer de próstata e outras doenças benignas da próstata, além do envelhecimento dos tecidos do corpo. A condição afeta 1 em cada 3 brasileiros, desses sendo 68% mulheres, segundo pesquisa encomendada pela Bigfral ao IPEC (Inteligência e Pesquisa e Consultoria), um estudo nacional com duas mil pessoas entrevistadas.

Os casos mais comuns de Incontinência urinária podem ser caracterizados por de três formas:

  • Incontinência urinária por esforço que acontece com atividades de esforço, como tossir, espirrar, a risada, o agachamento, e também durante a caminhada ou corrida.
  • Incontinência urinária por urgência, que corresponde à perda de urina associada a uma vontade incontrolável e urgente de urinar, caso em que a perda urinária pode acontecer antes mesmo de se chegar ao banheiro, e estão presentes também o aumento da frequência urinária e a noctúria (acordar a noite para urinar).
  • Incontinência urinária mista, em que a pessoa apresenta a perda de urina aos esforços e também a incontinência urinária por urgência.

Segundo o estudo de Bigfral, 20% das mulheres tiveram incontinência urinária após/durante a gravidez.   Isso acontece devido a Disfunção do Assoalho Pélvico, que é o enfraquecimento do músculo localizado na região, responsável por sustentar os órgãos pélvicos como bexiga e útero, além de manutenção da continência urinária. Esse enfraquecimento acontece devido a troca de hormônios das mulheres durante a gestação, o ganho de peso da mãe e peso do útero por conta do bebê durante os meses e também pela distensão que ocorre durante o parto normal.

Porém, apesar da perda involuntária de urina ser bastante “comum” e não causar riscos à saúde, não é algo normal e suas consequências podem ser drásticas e uma grande ameaça à autoestima das mulheres, apresentando sentimentos como, estresse, impaciência, depressão, ansiedade e vergonha, conta Ana Claudia Delmaschio, psicóloga da Associação Brasileira pela Continência BC Stuart. Ana Cláudia também relata que mulheres que sofrem com incontinência urinária costumam se isolar socialmente e afetivamente, evitando sair com os amigos ou encontrar com a família para evitar constrangimentos. “A pesquisa demonstrou que 61% dos entrevistados entendem que as perdas urinárias têm um grande impacto na escolha da pessoa evitar sair de casa e 77% afirmam que não frequentariam locais que não houvesse banheiros próximos se tivessem IU. ”, relata a psicóloga.

Ao primeiro sinal de incontinência deve procurar um profissional especializado para iniciar o tratamento da incontinência urinária. O fisioterapeuta pélvico, pode prevenir o surgimento por meio da realização dos exercícios para os músculos do assoalho pélvico e é recomendado para todas as mulheres conhecerem, avaliarem e exercitarem os músculos do assoalho pélvico (músculos do períneo). Com a realização dos exercícios, consegue-se melhorar e otimizar sua função. Além do fisioterapeuta, o médico uroginecologista e o médico urologista também são importantes para o tratamento. E em alguns casos, o psicólogo também pode ajudar no manejo do impacto psicossocial causado pela incontinência urinária.

Ana Cláudia finaliza, “Precisamos entender que os produtos que estão disponíveis no mercado não podem ser encarados como solução para o problema, no entanto são de extrema importância para o manejo diário do problema e certamente terão grande serventia durante o tratamento e melhora do quadro, principalmente, por serem produtos específicos que se preocupam em ter uma boa absorção e em neutralizar o odor da urina deixando a mulher mais confiante e segura durante as suas atividades diárias. ”