Quais são as 3 fases do puerpério? | Bigfral

Home  »  Mulheres   »   Quais são as 3 fases do puerpério?

Quais são as 3 fases do puerpério?


Quais são as 3 fases do puerpério?

9 meses atrás / 4 min de leitura

O período pós-parto, também conhecido como puerpério, é um intenso processo de recuperação e adaptação de corpo e mente da mulher. Ele nem sempre se desenvolve de forma linear – é cheio de altos e baixos – mas a literatura médica descreve três fases comuns a todas as mães que passaram pelo parto, seja ele normal ou cesárea. Aprenda neste artigo quais são as 3 fases do puerpério,  o que acontece em cada uma dessas três etapas, quais são os sintomas e os cuidados a serem tomados para atravessá-lo de forma saudável. 

O que é puerpério?

O puerpério é a fase de recuperação física e emocional de uma mãe, que se inicia logo após o parto. As mulheres experimentam sintomas como dores abdominais, cansaço intenso, oscilações de humor – frequentemente crises de choro – e um sangramento vaginal denominado loquiação, decorrente do processo de cicatrização do útero. 

A incontinência urinária de esforço, geralmente temporária, é outro sintoma comum, pois o peso da barriga durante a gestação pode causar o enfraquecimento da musculatura pélvica. O puerpério dura entre seis e oito semanas, de 45 a 60 dias. No entanto, o puerpério emocional, considerado o período de adaptação psicológica da mulher ao novo papel de mãe, pode durar em média dois anos.  

Etapas do puerpério

De acordo com a Fiocruz e o Ministério da Saúde, o puerpério se divide em três fases: do 1º ao 10º dia – puerpério imediato; do 10º ao 45º dia – puerpério tardio; além do 45º dia – puerpério remoto. Entenda melhor o que acontece em cada uma dessas etapas. 

Puerpério imediato

A fase do puerpério imediato, nos primeiros dez dias após parto, pode ser considerada a mais difícil. A mulher deve permanecer em repouso, o sangramento vaginal é mais intenso e as cólicas também. É um momento mais delicado, tanto em relação ao processo de cicatrização do corpo quanto à adaptação emocional às responsabilidades maternas. Se houver sangramento em excesso, com odor forte ou acompanhado de febre, o médico deverá ser informado imediatamente – há risco de infecção. 

Puerpério tardio

A partir do décimo dia, a recuperação começa a se estabilizar. O sangramento tende a diminuir e tomar uma coloração marrom ou rosada. A loquiação vai clareando até se tornar uma secreção esbranquiçada, denominada lochia alba, por volta dos 40 dias de puerpério. As oscilações de humor e as dores decorrentes da cicatrização dos pontos de sutura – seja da cesárea ou de uma episiotomia em um parto normal – ainda podem estar presentes, mas tendem a ser reduzidas.  

Puerpério remoto

A partir do 45º dia pós-parto considera-se que a mulher entrou no puerpério remoto. Em geral, a parte principal do processo de regeneração do corpo já está completa. Se a mãe não estiver realizando amamentação exclusiva, a ovulação e os ciclos menstruais retornam, o que é um dos sinais de que o puerpério acabou. Vale lembrar, contudo, que cada recuperação é singular, dependendo das complicações do parto, ela pode se estender por mais tempo. 

Ainda que o organismo tenha se recuperado, as profundas mudanças psicológicas trazidas pelo nascimento do bebê podem reverberar por mais tempo. Deste modo, o puerpério remoto ou puerpério emocional é capaz de se estender por cerca de dois anos. 

Cuidados no puerpério

Essa fase de recuperação física e emocional exige muitos cuidados e acompanhamento médico de perto. Várias dúvidas surgem sobre o que pode e o que não pode fazer no puerpério. Nos primeiros dez dias deve-se evitar esforços físicos mais intensos e por pelo menos 40 dias as relações sexuais são contraindicadas. Os pontos de sutura devem ser higienizados com água morna e sabonete neutro. Compressas de gelo podem ajudar com a dor e o inchaço abdominal. Para lidar com o sangramento (e com a eventual incontinência urinária) absorventes e roupas íntimas descartáveis são recomendados – absorventes internos não devem ser utilizados, pois aumentam o risco de infecções. 

É importante também que a mãe tenha uma rede de apoio – embora todos os esforços fiquem concentrados no cuidado com o bebê, ela também precisa ser cuidada. A tristeza e a oscilação de humor chamada de “baby blues” é natural, mas precisa de atenção e amparo para não evoluir em direção a um quadro de depressão pós-parto. 

Puerpério: cuidar de uma mãe para cuidar de um bebê

O puerpério frequentemente é uma verdadeira montanha russa de emoções – principalmente para as mães de primeira viagem. Apesar da preocupação com o bebê, não se deve perder de vista que, para cuidar bem do seu filho, a mãe também deve receber amparo nessa fase delicada. 

Questões como a incontinência urinária de esforço, geralmente uma condição temporária pós-parto, podem ser mais um motivo de insegurança entre as mulheres. Para lidar com os escapes de urina do puerpério com conforto e segurança, você pode contar com a Bigfral. Desenvolvemos roupas íntimas descartáveis de qualidade, que além da excelente capacidade de absorção, proporcionam mais conforto às puérperas, pois a cintura alta e o estilo calcinha acomodam melhor o abdômen em recuperação. É a praticidade do descartável – afinal você não precisa de mais trabalho no puerpério – com a discrição de uma calcinha. Conheça nossa linha completa.

Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários
1
0
Por favor, comente.x

Entrar com e-mail e senha